• Redação

Com cartão corporativo em 3 anos, Bolsonaro gastou 20% a mais do que antecessores e vira alvo do TCU

A farra de Bolsonaro com o cartão Corporativo


O presidente Jair Bolsonaro (PL) ainda tem pouco mais de onze meses de mandato pela frente, mas já excedeu os valores do cartão corporativo, em comparação com os gastos dos ex-presidentes Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (MDB) nos quatro anos de gestão. Desde 2019, o presidente Jair Bolsonaro (PL) já gastou 29,6 milhões de reais nos cartões corporativos da Presidência. Até dezembro, Bolsonaro gastou mais de 18,8% a mais do que os quatro anos do mandato de Dilma Rousseff e Michel Temer. As informações são do jornal O Globo.


Somente em 2021, os gastos alcançaram cerca de 11,8 milhões, o maior valor registrado nos últimos sete anos.

No mês de dezembro, os gastos da família Bolsonaro somaram mais de 1,5 milhões de reais, o valor mais alto para um único mês desde o início do mandato. Neste mesmo período, o presidente passava férias no Sul do País.

Os valores gastos são o acumulado das faturas de 29 cartões vinculados à Secretaria de Administração da Presidência da República. Os cartões são benefícios para o presidente, seus familiares e auxiliares mais próximos.

As faturas são mantidas sob sigilo baseado no argumento de que a divulgação dos gastos colocariam o presidente em risco.

O Cartão de Pagamento do Governo Federal (CPGF), conhecido também como cartão corporativo, é um meio de pagamento utilizado pelo governo para pagamentos de despesas próprias, que podem ser enquadradas como suprimento de fundos. O recurso funciona como um cartão de crédito que pode ser utilizado por servidores de diversas áreas, como os ministérios da Justiça e Segurança Pública, da Economia, da Educação e a própria Presidência da República. O suprimento de fundos “é um adiantamento concedido ao servidor para pagamento de despesas, com prazo certo para utilização e comprovação de gastos”, informa o texto publicado no site do Governo Federal.


E o Lula?

Em 2021, viralizou nas redes sociais, valores supostamente gastos pelo então presidente do PT e sua sucessora, Dilma Rousseff:


Durante os dois mandatos do ex-presidente Lula (2003-2011) foram gastos R$ 88.250.815,2. Já a ex-presidente Dilma Rousseff (2011-2016) gastou R$ 44.455.494,52 — valores inferiores aos mencionados na montagem que viralizou.



Contradições


Ainda durante seu período de deputado federal, Bolsonaro era um ávido crítico dos gastos com cartões corporativos nas gestões do PT.

Apesar de afirmar, ainda durante o seu primeiro ano de mandato, que divulgaria os dados das faturas, tais informações nunca foram apresentadas.

Ao ser questionado sobre os valores dos cartões, Bolsonaro afirmou que os gastos correspondem a alimentação dos animais do Palácio do Planalto.

Em outra oportunidade, no começo da pandemia da Covid-19, Bolsonaro afirmou que o aumento dos gastos estava relacionado com a repatriação dos brasileiros retidos na China.

Em 2021, a Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara aprovou que o Tribunal de Contas da União faça a apuração de valores gastos com os cartões incluindo das faturas da Abin e do GSI.

Qualquer cidadão pode consultar o Portal da Transparência para verificar os valores gastos com os cartões de pagamentos.


O globo

0 visualização0 comentário