Novo Presidente do Vasco elenca 15 ações imediatas para melhorar o clube

A sexta-feira, dia seguinte à validação da eleição de Jorge Salgado, foi de articulação. Integrantes do grupo Mais Vasco se reuniram para afinar o discurso, e o próximo presidente fez contato com Alexandre Campello, atual mandatário. Tudo para pavimentar o caminho para a implementação das propostas de campanha, dar continuidade à difícil negociação para a permanência de Benítez e ajudar na luta contra o rebaixamento no Brasileirão. Salgado recebeu sinal verde de Campello para conversar com Adrian Castellano, representante do meia, e o Independiente. Por ora, porém, não há novidades. O presidente eleito respeitará a posição de Campello, que, ao iniciar a transição, deixou claro que continuará administrando o futebol. Porém, há uma ideia, ainda em maturação, de que Salgado converse com o elenco e comissão técnica para passar tranquilidade e oferecer ajuda na luta pela manutenção na Série A. Confira abaixo 15 propostas de Salgado para os três anos de mandato em São Januário. Elas foram retiradas de duas entrevistas dele ao site do Globoesporte.com e da “Declaração de Compromissos” assinada pelo então candidato. R$ 70 milhões para capital de giro Dinheiro imediato para pagar salários e impostos atrasados é considerado essencial por Salgado e companhia. Para resolver o problema do fluxo de caixa, algo comum nos últimos anos e que gera a constante falta de pagamento de funcionários e obrigações, a ideia é captar R$ 70 milhões via Cédula de Crédito Bancários (CCB). Posteriormente, o plano é fazer uma nova captação, de até R$ 100 milhões via Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC). Neste caso, o objetivo é mudar uma dívida com juros altos por outro com juros mais baixos. São dois empréstimos. Nos dois casos, segundo Salgado, haverá a necessidade de pagar juros. E, claro, garantias teriam de ser oferecidas pelo Vasco, como provavelmente contratos de televisão e arrecadação de Sócio Torcedor. Aumentar a receita para R$ 400 milhões ao fim do mandato Ao final dos seus três anos de administração, Salgado quer entregar o Vasco com a quinta maior receita entre os clubes Brasileiros – é o atual 12º. Falou em subir para R$ 350 milhões ou até R$ 400 milhões. – O Vasco virou um clube médio. Do ponto de vista financeiro, o Vasco é um clube médio para pequeno na Série A. Temos que modificar isso radicalmente, reduzir a dívida e aumentar nossas receitas. Precisamos ter um pouco mais de inteligência na locação de nossos recursos e aumentar nossas receitas. Vamos aumentar, com diversas ações de marketing que estão sendo desenvolvidas – afirmou Salgado. Em 2019, a arrecadação bruta foi de R$ 208 milhões. O orçado para 2020 foi de R$ 324 milhões – até o fechamento do terceiro trimestre, esses valores chegaram a R$ 124,6 milhões. Redução da dívida para R$ 400 milhões ao fim do mandato Ao final de 2019, a dívida do Vasco era de R$ 645 milhões. Salgado afirmou planejar entregar o clube com o endividamento na casa dos R$ 400 milhões. Como? Aumentando receita e mudando o perfil da dívida. – A gente vai utilizar esse recurso (captação externa) para destruir uma dívida cara, colocar uma dívida mais barata ali dentro. Isso significa dizer que a gente vai diminuir o endividamento através da captação de recursos mais baratos. Nas simulações que temos, o Vasco deve mais ou menos R$ 650 milhões, e 80% dessa dívida é trabalhista e fiscal. Com recurso na mão, se consegue deságio muito grande nessa dívida. Com isso, começa a liberar recurso que está em garantia – afirmou. Aumentar a folha do futebol em R$ 2 milhões Salgado sempre criticou a gestão de futebol na administração Campello. Para o novo presidente, é preciso contratar melhor. Ser mais eficiente. Segundo ele, com uma reformulação, com a saída de atletas em final de contrato e buscando renegociação, é possível diminuir a folha em R$ 1,5 milhão. Ela atualmente bate na casa dos R$ 4 milhões. Além disso, Salgado, com o aumento de receita, afirmou que haverá aumento da investimento na folha de mais R$ 2 milhões. – Alguns jogadores estão acabando no final do ano, no meio do ano, vamos tentar alguma negociação para esse tipo de jogador. Fora isso, devemos ter incremento de mais ou menos R$ 2 milhões por mês. Se fizer conta simples, de investimento de R$ 2 milhões a mais na folha, mais R$ 1,5 milhão de redução de despesas de salários de jogadores, você tem mais ou menos R$ 3 milhões e pouco de incremento no futebol. Multiplicado por três anos, a gente vai ter algo perto de R$ 100 milhões a mais investido no futebol em três anos – acrescentou Salgado. Alcançar 150 mil sócios torcedores Após o sucesso da campanha do ano passado, quando chegou a 185 mil sócios, o Vasco conseguiu renovar muitos planos. Porém, com a pandemia, o número caiu para 87.495. Salgado deseja, com campanhas, valorizando o torcedor de fora do Rio, alcançar 150 mil sócios. Ter 40 mil sócios votando na próxima eleição, de forma eletrônica Outra promessa é ter 40 mil sócios aptos a foto na próxima eleição, que poderá ser feita de forma online. Para tal, Salgado entende ser possível criar as condições para o sócio torcedor virar em sócio proprietário, com abatimento da joia. – Aquele sócio que quiser votar ele pode sair de sócio torcedor para proprietário com abatimento da joia. Com isso, vamos ampliar e muito nosso quadro social. Possivelmente, fazendo alguns exercícios, a gente pode chegar a 40 mil sócios na próxima eleição – destacou. Manter canal de diálogo com os candidatos derrotados Salgado tem o perfil de ser conciliador. Ao comentar a decisão judicial, fez questão de agradecer Leven Siano, que momentos antes havia dito acatar o resultado. Na campanha, prometeu manter diálogo com todos os derrotados para o bem do Vasco: – Se algumas das ideias forem viáveis, vamos conversar e vamos avançar nelas. Pacificar a política do clube – Quero fazer gestão da paz. Acho que tenho toda a condição para isso. Foi assim que Salgado disse que pretende mudar a política do Vasco. Mudar o cenário de brigas para o de união passa por melhor relacionamento com o Conselho Deliberativo. Em tese, com os 150 eleitos da sua chapa a tarefa fica mais fácil – Julio Brant, da Sempre Vasco, ficou com 30 cadeiras. – O que interessa dizer é que vamos manter bom relacionamento com candidatos que perderem, com presidentes de outro conselhos, com o sócio vamos manter canal aberto. Vamos falar a verdade, enfrentar os momentos difíceis de frente, de cara limpa. Vasco na palma da mão Salgado repetiu, mais de uma vez, que deseja que o torcedor tenha o Vasco na palma da mão. Desta forma, a direção desenvolveria um aplicativo de celular. A ideia é a convergência: que o torcedor possa acessar a Vasco TV, comprar produtos e pagar a mensalidade do plano de sócios, entre outros. Crescimento do futebol feminino A Mais Vasco convidou Pretinha, ex-jogadora da Seleção, para ajudar a construir o projeto do futebol feminino. Na “Declaração de Compromissos”, está a promessa: “Queremos que nossas atletas possam ter uma carreira da mesma forma que os atletas do Futebol masculino tem. Não trataremos a modalidade como um subproduto imposto pelas federações para participação de competições estratégicas. Queremos trazer parceiros para essa modalidade e dar a mesma condição de trabalho que o futebol masculino tem para o melhor desempenho esportivo das nossas atletas.” Implantar a reforma de São Januário Salgado prometeu realizar a reforma de São Januário com uma condição: se houver recursos e que eles não saiam do caixa do clube. Definiu o projeto apresentado por Campello como interessante: – Atende ao torcedor, vai nos trazer maior conforto e mais receita. Acho que a gente deve seguir com esse projeto, talvez aperfeiçoando ou discutindo algum outro detalhe. Concluir os CTs Salgado afirmou que deseja concluir o CT do profissional e do da base, em Duque de Caxias: – Também quero continuar com as outras fases do CT, assim como o da base, que eu sei que está andando. Não é porque não comecei que não vou impedir o fim da construção. Pelo contrário. Os projetos são importantes e viáveis. É tocar os projetos. Reforma do Estatuto Datado de 1979, o estatuto do Vasco teve uma reforma que fracassou em 2020. Gerou muita briga no Conselho Deliberativo. A única mudança aprovada foi o voto direto. A Mais Vasco prometeu institucionalizar processos modernos de governança e compliance e eleições online. Tornar o clube mais inclusivo para mulheres, negros e público LGBTQIA+ A Mais Vasco, na época da campanha, tinha 19 grupos de trabalho para discussão técnica dos pilares da chapa. Três dos grupos são dedicados às pautas de representatividade: o Feminino, o de Valorização da História e o LGBTQIA+. Assim, a ideia é tornar o Vasco mais inclusivo para mulheres, negros e público LGBTQIA+. Há o debate para criar medidas de combate à discriminação nesta temática. Recuperar tradição em esportes olímpicos Há a promessa de regularização de impostos para, com a retirada da CND, poder ter acesso a recursos da Lei de Incentivo. Desta forma, espera-se fomentar os esportes olímpicos e paralímpicos. Recentemente, por conta da crise financeira, o Vasco fechou o departamento de basquete.

Receba nossas atualizações
  • Instagram ícone social
  • Facebook ícone social
  • Twitter ícone social
  • YouTube
  • iconfinder_social-11_1591847

© 2020 Fala Sério Pb